quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Nosso filme...

                                    
Filmes são produzidos a todo instante em meus pensamentos... São filmes nunca assistidos e que os guardo pra mim mesma, meu cinema interior... São as cenas mais lindas que já vi em minha vida, a história de um amor real, recriadas a todo instante, em forma de expressão de sentimentos, produzidos pela alma, um filme de romance, paixão, superação, desejos e amor verdadeiro, onde Deus é a grande testemunha do imenso amor que eles sentem, que eles tem... Apenas Deus sabe quantas lágrimas derramaram, quantas noites mau dormidas, quantas brigas enfrentaram, quantas vezes pensaram em desistir, quantas pessoas foram contra, zombaram, criticaram, falaram coisinhas... Mas Deus sempre esteve com eles e com lutas, renúncias, perdão e compreensão, com a benção de Deus primeiramente em suas vidas, não se deixaram separar, não se afastaram, não se perderam um do outro e venceram juntos todas as provações que precisavam para conseguirem chegar a plenitude desse amor... Filme esse, vivido por um casal que se amam, e que tiveram medo de encarar o amor que sentem... Não! O medo não foi mais forte do que o amor que eles sentem um pelo outro... O final? Bem, no final eles vencem seus medos e os preconceitos, criam um mundinho só deles, mas nesse mundinho há tudo o que eles precisam, não estavam presos, mas prenderam seus corações e suas almas uma a outra, assim, poderiam viver  se amando  infinitamente... Sim! Casavam, tinham filhos lindos e saudáveis, a casa cheia de alegria e vida, sentavam todos juntos a mesa, para as refeições, ela cuidando da casa e dos filhos feliz, e ele trabalhando satisfeito para viverem sempre bem confortáveis, nas férias não se separavam, juntos com os filhos viajavam pelo país, uns dias na casa dos avós paternos, uns dias na casa dos avós maternos e uns dias apenas para eles, em algum lugar do mundo, que eles escolhessem... Ninguém os viam de cara feia, estavam sempre em perfeita sintonia e harmonia, eles não brigavam, não se desrespeitavam, não se ofendiam, sentavam sempre no jardim de casa, apenas os dois e conversavam sobe tudo o que queriam, e terminavam sempre na cama, fazendo amor... Tudo era motivo para comemoração, com a família, parentes, amigos próximos, com churrasco e muita alegria, e também a sós, principalmente. Sim! Tudo terminava e começava na cama, o dia, as conversas, os assuntos sérios, as comemorações, as brincadeiras, as decisões... Tudo, fazendo amor... A noite é o momento mais sagrado deles, jantavam todos juntos e iam ao jardim, brincar com os filhos, se divertir com a família, conversar, tocar afetos, e depois dar banho nos filhos, ensiná-los a falar com Deus antes de deitar, abençoá-los, beijá-los e os colocar pra dormir... Então ficavam em seus momentos mais íntimos... Deitavam juntos no meio do jardim, em cima de um cobertor grande na grama, ficavam a observar a lua, as estrelas, falando declarações de amor um ao outro, relembrando e planejando momentos, trocando carícias, se desejando ardentemente e cobertos por um lençol, faziam amor ali mesmo... E adormeciam ao luar, juntinhos, agarradinhos, com pernas entrelaçadas, felizes... Ao som dos pássaros, na suave brisa, sendo observados pelas estrelas, como forma de dizer: Gratidão, Deus!

Com dedicatória especial, ao meu amor, Ícaro Aita!
"Sr. e Sra. Aita"


Autora: Daiane Vieira.
Música de fundo: "Imagine - Cristina Mel"
Ilustração: Google Imagens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário